SEM PALAVRAS

Support World AIDS Day

2006-09-11

bogues e BLOGUES

Hoje a frescura chegou a horas. Ia eu a caminho do trabalho e quase sentia o cheiro a chuva. Cheirei a erva cortada de fresco. Sentei-me no jardim, senti o fumo do cigarro e ouvi a Billie Holiday cantar "When your lover has gone". O dia prometia.

Aproveitei para pensar em blogues. Há cerca de três anos senti curiosidade em saber se conseguia ter um. Estava a moda no início, havia pouca oferta, pouca experiência, mas consegui definir, não um, mas dois blogues. Verdade seja dita que depois de saber que tinha conseguido, desinteressei-me. Pouco escrevi em qualquer deles.

Há uns meses atrás, farto de saber que toda a gente tinha o seu blogue, comecei a espreitar os que me apareciam. Ou seja, sem critério de pesquisa. Depressa os classifiquei em "Excepcionais"; "Muito Bons"; "Bons" e 90% merda. Acreditei que faria sentido manter uma espécie de diário, sem preocupações de pertencer aos 90%. Não comunicava a ninguém e, dificilmente, alguém iria lá parar.

Esqueci-me que, actualmente, na internet, quem procura sempre encontra. Ontem, acabei de ver todo o blogue de quem me veio inquietar. Não é excepcional (ainda só encontrei um com esta classificação), mas é MUITO BOM. Porque é que fiquei surpreso? Por ter estranhado que alguém capaz de fazer e escrever o que vi e li, tenha perdido tempo a ler-me. O blogue está graficamente bem conseguido, muito bonito e agradável de ver, mas os textos revelam uma sensibilidade e um gosto fora do comum. Senti-me orgulhoso.
Eu conhecia aquela pessoa. Quem fazia aquilo já tinha estado em minha casa - este blogue. Tenho que rever a minha classificação. Pode não ser excepcional, mas toca-me mais que o dito um.

Levantei-me, a Billie já estava a cantar "All of you", e segui para o emprego.

O dia continua a correr-me bem.

2 comentários:

Nan disse...

nem sabes a inveja que me fazes por curtires assim os princípios das manhãs de trabalho. comigo é um filme de terror: durmo sempre metade do que devia, penso sempre que 10 minutos me chegam para os preparos matinais - o que nunca se verifica - e depois é sempre aquele stress que me arruína a saúde.
agora tudo vai mudar. o meu pequenino começa a ter aulas de manhã, e se "brinco" em serviço, não brinco quanto ao meu papel de mãe. ou seja, sai a net prejudicada, claro, ou seja, o meu tempo na net.
agora quanto aos blogues: também começei nisto como se fosse um diário( na verdade, também eram dois), sabendo da improbabilidade de alguém me ler. um deles era secreto e o outro só era do conhecimento de duas amigas nada dadas a estas coisas. como deves ter reparado, só pelo índice dos arquivos se nota o quão espaçadamente eu escrevia. até que me aborreci de passar o tempo todo em conversas da treta, tipo chats, e decidi usar as minhas palavras em algo que pudesse dar-me mais gozo. dei o endereço a alguns contactos, começei a dedicar mais tempo à escrita dos outros e peguei a sério nisto quando descobri o valor das imagens-palavras (hoje passo horas a ver sites de fotografia, de que sempre gostei, mas não com este deslumbramento), e quando aprendi a colocar vídeos.
depois, ainda, resolvi fazer o perfil e descobri que podia ser direcionada para pessoas perto da minha zona ou para quem tivesse algo em comum comigo nos gostos. sei que é um método falível de se encontrar pesoas com quem partilhar coisas, mas qual não é?
foi assim que dei com o teu blog (algo desamparadito mas que intuí pudesse vir a ser bom e tu um bom amigo) e que resolvi dar-te os parabéns pelos teus anos. podia ter achado um disparate mas qual a novidade? confrontar-me com o disparate tem sido uma constante, querendo eu tudo menos isso...mas não foi. gosto das tuas histórias e dos teus queixumes:)
há milhares e milhares de blogues por aí, conhecemos tão poucos...é muito difícil distinguir os bons dos muito bons, até pelos diferentes géneros; um pode ser muito bom em poesia, outro em comicidade, outro em arte...e por aí adiante. fácil é eliminar os maus, como sabes.
acho que não percebi mal quando falaste no tal blogue, que achaste muito bom, ser o meu. sei que não é mau e se fosse, olha...era. seriam sempre as minhas coisas, alguma da minha realidade e do meu imaginário e outras coisas que achava interessantes, fora de mim, para dar a conhecer.
é um mundo interessante, este, embora recentemente me tivesse chateado a sério por pretender defender o autor dos posts dum outro comentador e ter acabado eu por levar por tabela. nunca mais aprendo a não tomar brigas alheias como minhas e depois sou obrigada a cortar forte e feio. sucedia-me muito nos chats até que aprendi, e quando vou a algum, o que é raro agora, pouco mais digo que olás e adeus. repete-se o mesmo nos blogs...mas eu aprendo. se calhar ainda me vais ver a comentar só com flores e beijinhos :)
enfim, foi só um caso pontual mas não estava á espera.

c'est tout. conta comigo para acompanhar os teus desabafos. isto não é só um mundo cão:)

agora vou curtir uma de fada do lar e hoje tenho mesmo de me deitar cedo.

beijinho para ti.

kimporta disse...

Compreendo que o teu pequenino precise de ti e que lhe queiras dar todo o apoio. Mas se tiveres uns minutos livres, não deixes de escrever. Já sabes os malefícios e as coisas boas que podem acontecer - mesmo donde menos se espera.
E não percebeste mal. Era do teu blogue que estava a falar.